Pintando o SeteAzul

Os trunfos de Bruno Covas para ser reeleito ainda em primeiro turno

Por Mais Ceará em 14/11/2020 às 11:17:26

As pesquisas de intenção de voto divulgadas nos últimos dias mostram o prefeito Bruno Covas (PSDB) na liderança isolada na corrida pela Prefeitura de São Paulo. Eleito como vice-prefeito em 2016 na chapa encabeçada pelo seu correligionário João Doria, hoje governador do estado de São Paulo, o tucano tenta a reeleição para mais quatro anos à frente da maior cidade do país. Os levantamentos feitos por Ibope e Datafolha mostram que Covas venceria Guilherme Boulos (PSOL), Celso Russomanno (Republicanos) e Márcio França (PSB) no segundo turno, mas, internamente, a campanha não descarta a possibilidade de a vitória ocorrer ainda em primeiro turno. Para isso, seriam necessários mais da metade dos votos válidos, excluindo brancos e nulos – de acordo com o Datafolha, o prefeito tem 36% dos votos válidos. Os dois principais trunfos são o derretimento de Russomanno e o avanço do candidato do PSDB junto ao eleitorado evangélico.

Na quarta-feira, 11, a pesquisa divulgada pelo Datafolha mostrou Bruno Covas com 32% das intenções de voto (no dia 23 de setembro, o índice era de 20%), e Celso Russomanno com 14% (na mesma data, ele tinha 29%). Entre os evangélicos, o tucano subiu de 25% para 32%, enquanto o deputado federal viu o apoio deste grupo ao seu nome despencar de 25% para 14%. Apoiado pelo presidente Jair Bolsonaro, o parlamentar é filiado ao Republicanos, braço político da Igreja Universal do Reino de Deus, do bispo Edir Macedo. Um integrante da campanha ouvido pela Jovem Pan afirmou que o diagnóstico interno mostrava a possibilidade de o candidato do PSDB "virar votos em segmentos cruciais" da população, como o eleitorado evangélico, católico e LGBT, por exemplo. Outro aliado do prefeito ouvido pela reportagem avalia que o uso da palavra "fé", presente no slogan "foco, força e fé", foi importante para aproximar o eleitor religioso das propostas do tucano.

Leia também

Datafolha: Covas lidera corrida pela Prefeitura de SP com 32%, Boulos tem 16% e Russomano, 14%

Mirando o segundo turno, Boulos apostará em 'desmascarar Bolsodoria' na reta final

Na reta final, Márcio França vai explorar sua vitória contra os tucanos na capital nas eleições de 2018

Neste sábado, 14, véspera do primeiro turno, o Datafolha divulgará uma nova rodada de pesquisas. A campanha está otimista em relação ao resultado e, baseada nos trackings internos, acredita que o prefeito alcançará, pelo menos, 36% das intenções de voto. "Dependendo do voto útil, podemos ganhar, sim, no primeiro turno. O paulista não vota em quem perde. Essa percepção de que o seu candidato pode estar fora do páreo conta a favor neste momento. O que constatamos é que os adversários do Bruno têm um eleitor muito volátil. O eleitor pode querer eliminar a esquerda já no primeiro turno. Eleição só se ganha quando a urna fecha, mas a expectativa existe", disse à Jovem Pan um membro da cúpula do PSDB municipal.

Para um eventual segundo turno, o PSDB espera ampliar ainda mais seu arco de alianças na capital – a coligação de Bruno Covas é formada por outros dez partidos (DEM, Podemos, MDB, PSC, Progressistas, PL, PROS, Cidadania, PTC, PV. Duas das siglas que estão no radar dos tucanos são o PSD, de Andrea Matarazzo, e o Republicanos. O apoio do último, claro, dependeria do fracasso de Celso Russomanno no primeiro turno – nas duas últimas eleições municipais, em 2012 e 2016, o deputado federal começou a campanha na liderança e desidratou na reta final. "No último debate [promovido pela TV Cultura], Matarazzo não atacou Bruno, o que nos faz crer que o PSD pode nos apoiar. Russomanno não indo ao segundo turno, o Republicanos deve apoiar também. Isso tudo cria um cenário favorável para a reeleição do prefeito", avalia um correligionário.

Fonte: JP

CEP

Comentários