Vai dar certo

Vacinação contra Covid-19 completa um ano no PR; "Desafio é convencer quem não vacinou", diz secretário

Por Mais Ceará em 17/01/2022 às 15:40:22

A vacinação contra a Covid-19 completa um ano no Paraná nesta terça-feira. Em 18 de janeiro de 2021, a enfermeira Lucimar Josiane de Oliveira, de 44 anos, funcionária do Hospital do Trabalhador, recebeu a primeira dose do imunizante em um ato simbólico em Curitiba.

Vacinação contra Covid-19 completa um ano no PR
Lucimar Josiane de Oliveira foi a primeira paranaense vacinada (Foto: AEN)

Foram meses de espera e angústia pela chegada do imunizante. Agora, depois de um ano, o secretário de estado da Saúde, Beto Preto, afirma que o desafio, diante do surto da variante ômicron, é convencer quem ainda não vacinou.

“A tarefa continua. Temos vencido várias batalhas, mas a guerra não foi vencida. Temos essa variante ômicron com todas as suas interfaces. Por isso, a necessidade de fazer chegar rapidamente ao braço dos paranaenses a dose de reforço e a segunda dose para quem ainda não tomou. E, aqueles paranaenses que ainda insistem em não tomar a vacina, fazer mais um apelo da mudança de atitude para tomar primeira dose”, diz.

O secretário explica que a variante ômicron tem um contágio mais rápido. Apesar disso, pessoas vacinadas têm desenvolvido quadros leves de Covid-19.

Outro dado importante divulgado pela Secretaria de Estado da Saúde (SESA), é que quase 90% dos internados em hospitais do Paraná são pessoas que não tomaram a primeira dose ou completaram o esquema vacinal.

“Percebemos a mudança do padrão de contaminação. É um padrão mais rápido, mais objetivo. A variante ômicron é mais contagiosa que o próprio sarampo. Então, estamos diante de algo que é muito difícil de controlar. O vírus vem se comportando com quadros mais leves, mas não são quadros mais leves porque essa variante é mais fraca. São quadros mais leves porque as pessoas estão vacinadas”, destaca.

Beto Preto atribui o aumento de casos às festas de fim de ano. Mesmo assim, descarta a adoção de medidas restritivas de circulação de pessoas nos próximos dias. Para que esse plano se mantenha, pede a colaboração da população com as medidas sanitárias de uso de máscara, distanciamento social e higienização das mãos.

“Em um primeiro momento não vamos tomar medidas que venham trazer restrição a circulação de pessoas. Nossos leitos de UTI e enfermaria ainda estão em um número suportável, porém, se não houver um esforço coletivo, nas próximas semanas teremos mais paranaenses internados nos nossos hospitais”, ressalta.

Fonte: Banda B

Tags:   Saúde
Comunicar erro
CAMES

Comentários

Pintando o SeteAzul