Pintando o SeteAzul

Capitão Wagner votou a favor do Auxílio Emergencial, e FAKE NEWS é derrubada na Justiça

A prorrogação do Auxílio Emergencial é de competência exclusiva do Poder Executivo, que é quem Dora no orçamento da União e efetua o pagamento.

Por Mais Ceará em 03/11/2020 às 01:22:06
Google

Google

A má fé dos oponentes do candidato do Pros a Prefeito de Fortaleza, Capitão Wagner, não tem medido distância quando o assunto é difamar e caluniar. A afirmação de que o candidato na qualidade de Deputado Federal votou contra o auxílio emergencial do Governo Federal e sua ampliação, é na verdade uma falácia sem procedente, que tem endereço certo, desgastar o Candidato que lidera todas as pesquisas de intenção de votos em Fortaleza.


O Auxílio Emergencial na verdade é conduzido por uma Lei, abaixo, na qual o Deputado Federal Capitão Wagner votou a favor, e que no artigo 6º da Lei n° 13.982 ,expressa claramente que a prorrogação estava autorizada ao Poder Executivo, que é quem cria a dotação orçamentária e paga o auxílio, apontasse a prorrogação. Portanto o uso criminoso da afirmação de que o Deputado Capitão Wagner botou contra o Auxílio Emergencial é FAKE NEWS, e a bravata de que o Deputado Capitão Wagner votou contra a prorrogação do Auxílio também é FAKE NEWS.

Lei 13.982

Art. 6º O período de 3 (três) meses de que trata o caput dos arts. 2º, 3º, 4º e 5º poderá ser prorrogado por ato do Poder Executivo durante o período de enfrentamento da emergência de saúde pública de importância internacional da Covid-19, definida pela Lei nº 13.979, de 6 de fevereiro de 2020.

Resta saber se o expediente usado para denegrir, será o mesmo usado para governar em caso de eleição... O vale tudo nas eleições deve ser terminantemente abominado pelos eleitores, que deverão estar muito atento para qualquer tipo de manipulação por parte de condutas que aí atacam, e não propõe melhorias e melhores caminhos para atender o interesse coletivo.

Segue a Lei na íntegra do Auxílio Emergencial:

CLIQUE AQUI - Lei do Auxílio Emergencial





Fonte: Redação

CEP

Comentários