Vai dar certo

"Se a esquerda voltar, vou repensar a minha vida", diz Luciano Hang sobre as eleições de 2022

Por Mais Ceará em 18/01/2022 às 14:16:43

Nesta terça-feira, 18, o programa Morning Show, da Jovem Pan, recebeu o empresário Luciano Hang. Em entrevista, ele falou sobre o que espera das eleições de 2022 e as sinalizações de Lula como favorito nas pesquisas de intenção de voto. “Eu não tenho um plano para 2023, nós normalmente abrimos 20 lojas por ano, com investimentos de R$ 1 bilhão. Realmente, se a esquerda voltar, vou repensar a minha vida”, disse. “Falo isso não por mim, mas por milhões de empresários que estão represando seus investimentos baseado na política. Você só vai investir se tiver confiança e esperança sabendo que o Brasil vai andar para frente e não para trás. Continuo pensando da mesma forma. Não preciso coagir ninguém, é só falar a verdade”, explicou.

Cotado para disputar uma vaga ao Senado por Santa Catarina, Hang disse que pensa todos os dias na possibilidade da candidatura. “É uma pergunta que me fazem todos os dias e também está na minha cabeça. Me acordo de um jeito, vou dormir de outro, penso todos os dias. Como ativista político, acho que o empresário precisa ser protagonista, não pode ser coadjuvante na nossa política. Eu não vivo de política, graças a Deus, vivo dos meus clientes”, afirmou. Para o empresário, o desemprego influencia na má política e é uma pauta urgente a ser discutida. “Eu acho que o brasileiro que quer se meter na política tem que ir para servir. Amo meu país, amo minha cidade e meu Estado e quero ver um país onde tenha paz, harmonia, desenvolvimento e trabalho. Eu ando nas ruas e o que as pessoas mais querem hoje é emprego. Quem tem emprego, tem liberdade e independência, não precisa ficar atrelado. Quem gosta de miséria é político do mal. Político do mal ama miséria porque coloca um cabresto na pessoa e a cada dois anos pede o seu voto.”

Com os rumores da pré-candidatura de Sergio Moro à República e a disputa de Jair Bolsonaro pela reeleição, Luciano Hang ainda não se decidiu sobre quem apoiará. “Nós estamos longe das eleições. Lamentavelmente, depois de 2018, onde o candidato eleito pela democracia tem que fazer as mudanças que ele prometeu ao povo, tivemos as dificuldades do Congresso e a pandemia durante dois anos. Foi antecipado às eleições, fazendo com que fizesse mal para o país. Nós temos tempo para ver as eleições”, disse. “Vejo muitos candidatos conversando com as alas. Eu sou um ativista político e não tenho neste momento um partido, compactuo com as pautas do Bolsonaro, se tiver divergências com ele, converso ou faço isso em público. Vamos ver esse ano como vai ser. Hoje, continuo apoiando o governo e o presidente Jair Bolsonaro.”

Confira na íntegra a entrevista com Luciano Hang:

Fonte: JP

Comunicar erro
CAMES

Comentários

Pintando o SeteAzul