Pintando o SeteAzul

Maia critica discurso de Bolsonaro e diz que "estado está às escuras"

Por Mais Ceará em 10/11/2020 às 21:17:29

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), criticou o discurso feito pelo presidenteJair Bolsonaro nesta terça-feira, 10, durante evento para a retomada do Turismo no Brasil. Além de ter dito que a pandemia da Covid-19 foi "superestimada", Bolsonaro afirmou que o Brasil precisa "deixar de ser um país de maricas" e "enfrentar o assunto de peito aberto". O presidente também criticou a ameaça do presidente eleito dos Estados Unidos, Joe Biden, de que o Brasil sofrerá consequências econômicas caso não haja uma atuação mais firme para combater o desmatamento e as queimadas na Amazônia. "Depois que acabar a saliva tem que ter pólvora. Não precisa nem usar a pólvora, mas tem que saber que tem", disse.

"Entre pólvora, maricas e o risco à hiperinflação, temos mais de 160 mil mortos no país, uma economia frágil e um estado às escuras. Em nome da Câmara dos Deputados, reafirmo o nosso compromisso com a vacina, a independência dos órgãos reguladores e com a responsabilidade fiscal", escreveu Maia na noite desta terça. "E a todos os parentes e amigos de vítimas da covid-19 a nossa solidariedade", completou o presidente da Câmara. Desde o início da pandemia, Bolsonaro e Maia já se alfinetaram diversas vezes por discordâncias em vários assuntos, como o isolamento social e o pacote financeiro de auxílio a estados e municípios.

Enquanto Bolsonaro manteve o silêncio sobre a vitória de Biden, Maia parabenizou o democrata. "A vitória de @JoeBiden restaura os valores da democracia verdadeiramente liberal, que preza pelos direitos humanos, individuais e das minorias. Parabenizo o presidente eleito e, em nome da Câmara dos Deputados, reforço os laços de amizade e cooperação entre as duas nações", escreveu no Twitter.

Leia também

Augusto Nunes: 'Brasil foi o país que mais politizou a vacina e a pandemia'

Bolsonaro diz que Brasil tem que 'deixar de ser país de maricas' no combate à Covid-19

Anvisa diz que notificação do Butantan sobre "evento adverso grave" demorou três dias para chegar

Discurso

Em discurso nesta tarde, Bolsonaro afirmou que os problemas decorrentes da pandemia aconteceram porque não deixaram o "líder" trabalhar. "Minha vida aqui é uma desgraça, eu não tenho paz para absolutamente mais nada", disse. "O que faltou para nós não foi um líder, foi que não deixaram o líder trabalhar", continuou. O presidente também criticou o Congresso e o chamou de "uma corrente forte de esquerda, uma corrente de atraso, corrente para dividir o que é dos outros". "Não adianta fugir disso, fugir da realidade. Tem que deixar de ser um país de maricas. Olha que prato cheio para a imprensa. Prato cheio para urubuzada que está ali atrás. Temos que enfrentar de peito aberto, lutar. Que geração é essa nossa?", disse, ainda, durante a fala.

Além disso, Bolsonaro reagiu à ameaça do presidente eleito dos Estados Unidos, Joe Biden, de que o Brasil sofrerá consequências econômicas caso não haja uma atuação mais firme para combater o desmatamento e as queimadas na Amazônia. "Assistimos há pouco um grande candidato a chefia de Estado dizendo que, se eu não apagar o fogo da Amazônia, ele vai levantar barreiras comerciais contra o Brasil", afirmou. "Apenas pela diplomacia não dá", emendou Bolsonaro, lançando a "pólvora" na relação entre os dois países.

Fonte: JP

Comunicar erro
CEP

Comentários