Pintando o SeteAzul

Mourão apresentará planejamento estratégico ao Conselho da Amazônia na próxima semana

Por Mais Ceará em 29/10/2020 às 09:34:31

O vice-presidente da República, general Hamilton Mourão, apresenta ao Conselho da Amazônia o planejamento estratégico para 2021. O documento, que passou pelo crivo do presidente Jair Bolsonaro nesta quarta-feira, traz compromissos que deverão ser cumpridos por cada área do governo para garantir o desenvolvimento da região e a preservação do meio ambiente. São, ao todo, três objetivos estratégicos gerais, 10 de segundo nível e 110 pontuais que deverão ser executados em sinergia pelos ministérios ao longo do ano que vem. A meta, de acordo com Mourão, que é o presidente do Conselho da Amazônia, vai além do combate aos crimes praticados na Amazônia. "A gente se prende muito nessa questão de desmatamento e queimadas, isso é uma coisa. O principal para a região amazônica é que a gente tenha uma política de Estado consistente, que perdure no tempo, e que permita o desenvolvido da região, que está muito abaixo do restante do país, preservando o meio ambiente e gerando renda para as pessoas que estão lá.

Leia também

Governo vai prorrogar presença das Forças Armadas na Amazônia até abril de 2021

Mourão admite que é preciso apresentar "melhores resultados" no combate ao desmatamento

'Não houve desmonte ambiental, nós herdamos', diz Salles

Uma das alternativas para se alcançar os objetivos do plano estratégico seria manter os militares na Amazônia ao longo de todo ano que vem. Mas, como explica Mourão, é preciso encontrar uma solução mais barata para garantir a fiscalização da região. "Pode não ser possível recompor [Ibama e o ICMBio], mas precisamos ter outras linhas de ação mais baratas, que caiba dentro do nosso bolso, para que a fiscalização continue intensa. Ou remanejando gente de outras áreas ou aproveitando operações pontuais das Forças Armadas. A gente tem que buscar a melhor solução", afirma. Na próxima quarta-feira, 04, o vice-presidente embarca com embaixadores de países europeus e sul-americanos para a região amazônica. A comitiva vai sobrevoar áreas degradadas por desmatamentos e queimadas e vai visitar projetos de preservação e saúde indígena. A ideia é esclarecer pontos da política ambiental do governo para a comunidade internacional.

*Com informações do repórter Antônio Maldonado

Fonte: JP

CEP

Comentários