Vai dar certo

A Responsabilidade Administrativa das Oposições: Capitão Wagner (PROS), Eduardo Girão (PODE), Vitor Valim (PROS), Roberto Pessoa (PSDB) e Danilo Forte (PSDB)

Luíz Cláudio Ferreira Barbosa

Por Mais Ceará em 27/01/2021 às 08:08:28

O pleito eleitoral de 2020 no município de Fortaleza, sem dúvida reduziu o papel político-eleitoral dos antigos líderes oposicionistas: Eunício Oliveira (MDB) e Tasso Jereissati (PSDB). O ex-senador Eunício Oliveira procurou construir uma coligação partidária (MDB-Solidariedade) pró-Camilo Santana (PT), porém, o candidato a prefeito dessa frente partidária entre MDB e Solidariedade, o deputado estadual Heitor Férrer (Solidariedade)não aceitou esse papel. O senador Tasso Jereissati (PSDB) simplesmente retornou a sua antiga aliança política -administrativa, com o ex-governador Ciro Gomes (PDT), sem muita influência na eleição do atual prefeito de Fortaleza: José Sarto (PDT). Os novos líderes oposicionistas cearenses são Capitão Wagner (PROS), Eduardo Girão (PODE), Vitor Valim (PROS), Roberto Pessoa (PSDB) e Danilo Forte (PSDB).


O deputado federal, Capitão Wagner (PROS), é individualmente a principal liderança oposicionista cearense ao condomínio político-administrativo do governador Camilo Santana (PT) e do senador Cid Gomes (PDT). Capitão Wagner deverá apoiar a candidatura ao Governo Estadual do senador Eduardo Girão pela coligação PROS e Podemos, no próximo ano. Eduardo Girão começa a dialogar com o tradicional eleitorado anti-Ferreira Gomes, e por tabela com o eleitorado Bolsonarista, contudo, o seu grande feito discursivo, sem dúvida é o diálogo, com o eleitorado moderado que é simpático ao Governo Federal e o Governo Estadual. O bloco partidário PROS e Podemos tem a compreensão de sua provável participação no segundo turno do pleito eleitoral estadual de 2022.


O prefeito de Caucaia, o ex-deputado estadual Vitor Valim (PROS), não adotou o figurino da liderança oposicionista, no cargo de chefe do executivo. Vitor Valim não tem interesse numa zona de conflito, com o Governo Estadual, pois, isso seria muito prejudicial a população de Caucaia. O discurso da parceria administrativa entre os executivos (Federal, Estadual e Municipal) é o grande ativo político-administrativo do prefeito Vitor Valim (PROS), nos próximos dois anos (2021-2022). O prefeito de Maracanaú, o ex-deputado federal Roberto Pessoa (PSDB), não tem interesse numa aproximação ao Governo Estadual, todavia, será o principal município cearense privilegiado com os recursos do Governo Federal. Roberto Pessoa é a liderança oposicionista mais próximo do eleitorado pró-governista ao Planalto.




O deputado federal Danilo Forte (PSDB) passou muito despercebido pelo jornalismo político cearense, nos últimos três meses. Danilo Forte tem sido o parlamentar com mais visitas a Esplanada dos Ministérios, como também com trânsito livre no Congresso. Os deputados federais leais ao governador Camilo Santana (PT) e ao prefeito fortalezense, o médico José Sarto (PDT), não terão muito acesso ao Governo Federal, nos próximos meses. O Planalto não vai abastecer os cofres públicos dos aliados de anti-bolsonaristas, isso é algo muito lógico, para os preparativos do pleito eleitoral de 2022, a nível nacional e local. O deputado federal Danilo Forte (PSDB) vai participar da elaboração da reforma fiscal e da reforma administrativa, na Câmara Federal.



Fonte: Luiz Cláudio Ferreira Barbosa, sociólogo e consultor político

CAMES
Pintando o SeteAzul