Pintando o SeteAzul

A Construção da Terceira Via: Heitor Férrer e Eunício Oliveira - Sucessão Municipal de Fortaleza

Luiz Cláudio Ferreira Barbosa

Por Mais Ceará em 23/09/2020 às 09:25:58

O presidente estadual do MDB, o empresário Eunício Oliveira, foi um dos grandes responsáveis pela criação da terceira via da sucessão municipal de Fortaleza, com a colaboração do presidente estadual do Solidariedade, o deputado federal Genecias Noronha; assim nasceu a candidatura do deputado estadual, Heitor Férrer (SD), para o cargo de prefeito de Fortaleza. Eunício Oliveira e Genecias Noronha têm o interesse de construir um palanque de confluência de vários setores da classe política e da sociedade civil, numa verdadeira coligação partidária nessa sucessão municipal de Fortaleza de caráter ideológico de centro ou centrista.

É preciso frisar que o capital político-eleitoral do prefeiturável, Heitor Férrer, já é consolidado, sendo algo em torno de 8% até 12% das perspectivas dos votos válidos no primeiro turno. Heitor Férrer não fez uma pré-campanha, pois apenas passou esse período tentado construir uma coligação competitiva, todavia, teve êxito na missão. A coligação entre o Solidariedade e o MDB deu a capacidade ímpar de capital político-eleitoral ao prefeiturável, Heitor Férrer, com algumas sinalizações negativas nas redes sociais, contudo, o silêncio dos novos apoiadores dessa terceira via da sucessão municipal, em breve será trocada por manifestações de apoio. Existe uma tendência de crescimento eleitoral do Heitor Férrer nos próximos dias.


A prefeiturável e ex-prefeita, Luizianne Lins (PT), entrou num processo de autoisolamento entre os seus companheiros petistas, pois não tem praticamente um candidato competitivo, como companhia na chapa majoritária ao cargo de vice-prefeito, como também há uma fuga de ex-auxiliares das suas administrações municipais, para a campanha de prefeito de Caucaia do deputado estadual, Elmano de Freitas (PT), em função da competitividade do mesmo, no município da região metropolitana de Fortaleza. O eleitorado anti-José Sarto (PDT) da prefeiturável Luizianne Lins (PT) deverá migrar para o prefeiturável, Heitor Férrer (SD), nos próximos dias, assim como o eleitorado anti-Capitão Wagner (PROS) da candidata petista deverá votar no prefeiturável, Renato Roseno (PSOL), como a melhor opção de centro-esquerda no pleito eleitoral de Fortaleza. Luizianne Lins poderá ser o novo Inácio Arruda na eleição de 2020, na capital cearense.

A coligação partidária MDB e Solidariedade deve defender a manutenção da parceria na administração entre a Prefeitura de Fortaleza e o Governo do Estado do Ceará, com a diferença de ter um canal mais aberto do que tem a atual administração municipal, com o Governo Federal. O presidente estadual do MDB, Eunício Oliveira, e o deputado federal, Genecias Noronha (SD), têm a noção da queda da arrecadação financeira da prefeitura de Fortaleza, nos últimos anos, assim como nos próximos anos, isso torna necessário uma parceria muito forte entre as três máquinas administrativas, na próxima gestão pública, no município de Fortaleza. O eleitorado camilista que não é pró-Ferreira Gomes que não tem simpatia pela candidatura do prefeiturável, Capitão Wagner (PROS), e somente deseja o continuísmo, com a renovação do grupo político vigente no poder administrativo municipal de Fortaleza.


O prefeiturável Heitor Férrer deve ser visto como uma renovação da continuidade administrativa, assim como a melhor opção política-eleitoral moderada, para a classe média tradicional fortalezense. Heitor Férrer deve apresentar os parlamentares emedebistas e os parlamentares do Solidariedade, na sua publicidade na televisão, rádio e redes sociais, como antítese do eu sozinho, como foi na última campanha eleitoral de 2016, para o cargo de prefeito de Fortaleza. O discurso da continuidade das principais obras do prefeito Roberto Cláudio, porém, com ênfase nas políticas públicas favoráveis as camadas mais pobres da sociedade civil da capital cearense, pois este é o único discurso atrativo aos eleitores paupérrimos, para compreenderem o prefeiturável, Heitor Férrer (SD), numa campanha curtíssima de 45 dias do primeiro turno.

A demora da apresentação do deputado estadual, José Sarto (PDT), como o candidato do condomínio político-eleitoral dos irmãos Gomes (Ciro - Cid - Ivo) e do governador Camilo Santana (PT), assim como o vácuo político-eleitoral nas redes sociais cirista-robertista, após a indicação do presidente da Assembleia Legislativa do Ceará, como candidato a prefeito de Fortaleza, é um sinal de desmotivação da militância digital pedetista. José Sarto apenas atuou como uma liderança tradicional nas convenções partidárias dos seus aliados, em contrapartida o prefeiturável, Capitão Wagner (PROS), mantém uma agenda positiva nas redes sociais, e o prefeiturável, Heitor Férrer (SD), já criou um ritmo frenético de produção de conteúdo, para as redes sociais.


Na segunda quinzena de outubro o prefeiturável, Heitor Férrer, poderá ser o principal oponente do prefeiturável, Capitão Wagner (PROS), no pleito eleitoral de 2020, em Fortaleza, com isso pode haver um esvaziamento da candidatura governista, para os dois primeiros colocados na preferência eleitorado fortalezense. Heitor Férrer precisa trabalhar para ser o anti-Capitão Wagner, por dois motivos: o primeiro é o provável colapso da campanha petista, e a segunda é o não carisma político-eleitoral da chapa majoritária governista (José Sarto e Élcio Batista). A coligação MDB e Solidariedade tem o papel de ser a grande surpresa, no primeiro turno do pleito eleitoral de Fortaleza. A nova geringonça da polícia cearense.
CEP